terça-feira, novembro 21, 2006

ser interessante

Minha vida toda lutei para ser interessante. Sempre quis ser popular, sempre quis ser amada e nunca vi nenhum mal nisso. Hoje parei de sofrer pois completando um ano de orkut não tenho nem 300 posts, tenho um blog que ninguem lê, voltei a faculdade pra buscar um documento e uma professora que adorava não me recordava depois de uma ano sem aulas, faço um milhão de coisas mas não sou essencial na maioria delas. Entendi que somos completamente substituíveis mas mesmo assim não esqueci de amar. Não pretendo me lamentar, já estou amadurecendo a idéia, pessoas interessantes passaram na minha vida, será que eu fiquei em alguma delas?
Meus cabelos vermelhos, minha disponibilidade minha preguiça. SOu completamente transparente, tão transparente que me olham e não me vêem.
E cada palavra que escrevo não tenho certeza de nada que pensei, apenas penso se escrevi certo pois ainda não aprendi como escrever certeza, geito, quis, será que tenho que descobrir ainda o que significam?

sábado, novembro 11, 2006

solidão

O sentido da palavra solidão... penso, penso mais um pouco e não chego a nenhuma conclusão. Sei que dá vonta de de fumar, só pelo prazer de se sentir acompanhada. Sei que dá vontade de vomitar tudo aquilo que comi, de dor. Sei tambem que nada que eu faça nesse instante consegue preencher esse vazio. Sei que não conseguirei estudar tudo aquilo qeu preciso, pois minha cabeça estará ocupada demais com explicações a mim mesma. Sei qeu dá vontade de fugir, mas não tem pra onde. Cansei de tentar ser sexy, inteligente, moderna, romantica e tudo mais um pouco que não tenho conseguido ser. Sei que me afundar não leva a nada, mas sei, masi ainda que fingir que está tudo bem faz mais mal do que posso imaginar.
Gosto tanto de mim, ou pelo menos o suficiente pra acreditar que as coisas que faço valem a pena.
Meus cabelos ainda mais vermelhos contrastam com minha pele clara. E me sinto só isso.